O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu e a sra. Sara Netanyahu estiveram em visita de estado à América do Sul, incluindo a inauguração do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, um franco partidário de Israel que prometeu mudar a embaixada do país para Jerusalém e encerrar o apoio do seu país para uma “solução de dois estados” com os palestinos.

A visita de Netanyahu também incluiu várias reuniões e discursos para a comunidade judaica do país, reunindo-se com os líderes do país, o presidente de Honduras, visitando o Congresso brasileiro, reunindo-se com o presidente chileno Pinera e se reunindo com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

Bolsonaro foi empossado como presidente do Brasil na terça-feira, assumindo as rédeas do maior e mais populoso país da América Latina, com promessas de reformular uma miríade de aspectos da vida cotidiana e acabar com a governança de sempre.

Para o ex-capitão do exército de extrema-direita, a inauguração do Ano Novo foi a culminação de uma jornada de um congressista marginalizado e até ridicularizado a um líder que muitos brasileiros esperam poder combater a corrupção endêmica e a violência que rotineiramente dá à nação a distinção duvidosa. de ser líder mundial em homicídios totais.

Um fã do presidente dos EUA, Donald Trump, o congressista de 63 anos, subiu ao poder em uma agenda anti-corrupção e pró-arma que energizou conservadores e simpatizantes de direita depois de quatro vitórias consecutivas nas eleições presidenciais pelos trabalhadores de esquerda ‘ Festa.

Bolsonaro foi o último de vários líderes de extrema-direita em todo o mundo que chegaram ao poder montando ondas de raiva contra o establishment e prometendo abandonar o status quo.

“Parabéns ao presidente @jairbolsonaro que acabou de fazer um grande discurso de posse”, Trump twittou. “Os EUA estão com você!”