A InterNations divulgou o relatório “Digital Life Abroad” que classifica os países para expatriados com base na disponibilidade de serviços governamentais online, a facilidade de obter um número de celular local, a disponibilidade de internet de alta velocidade em casa, facilidade de fazer pagamentos sem dinheiro físico e acesso aberto à internet. Israel ficou em 6º lugar no ranking geral entre 68 países avaliados e em terceiro lugar nas categorias de acesso irrestrito à Internet e em facilidade de obter um número de celular local. “Até mesmo os idosos têm smartphones e conversam no Facebook ou por WhatsApp. Não é incomum você ver uma senhora nos seus 70 anos fazendo uma videochamada para os netos nos EUA, por exemplo”, afirma Maria Pinelis, do InterNations.

Rafael Hope é CEO da Amen V’Amen, uma empresa de mídia digital. Ele vive num subúrbio de Tel Aviv e diz que a internet lá é rápida, barata e confiável, o que ajuda empreendedores iniciantes e nômades digitais. “Eu mesmo trabalho principalmente em casa e em cafés, o que significa que confio muito na internet pública. “Muitas cafeterias oferecem Wi-Fi público gratuito. E as companhias de telecomunicação de Israel oferecem Wi-Fi público em muitas áreas metropolitanas para que seus clientes possam usar gratuitamente”.

O Brasil está em 50º lugar. Conseguir uma conexão de internet rápida em casa e um número de telefone local são os quesitos nos quais o país se sai pior, em 62º e 60º lugar, respectivamente. Em termos de qualidade de vida digital, o Brasil está abaixo de países como a Sérvia (44º lugar), a República Dominicana (45º) e o Cazaquistão (48º).